Pular para o conteúdo principal

Rastro de luzes


Toda foto só existe por conta da luz. Pois é ela entra na câmera e ao entrar em contato com um material foto sensível produz a imagem que vemos. É possível controlar a quantidade de luz que entra na câmera de diversas formas.
Para produzir uma longa exposição, você aumenta o tempo que o obturador, o mecanismo acionado na hora que você dá o clique, fica aberto, expondo o sensor à luz que passa pela lente.


Como o nome indica, você tem uma longa exposição quando o tempo em que o obturador permanece aberto é longo, normalmente de alguns segundos (e não pequenas frações de segundos).
Com essa técnica foi possível realizar esta fotografia dos rastros dos faróis de carros que passavam pela avenida.
Quanto mais escuro estiver o ambiente, mais fácil será captar o movimento das luzes.



Imagem de Mônica Rocha Coutinho, cedida para a III Exposição Fotografia & Ciências, realizada na UFSCar Campus Araras no 2 semestre de 2016.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mindinho

É só estender o dedo mindinho e repetir: “mindim,mindim, mindim” e a mosca das flores pousará sobre o dedo. É assim que muita gente atrai essa díptera da família dos sirfídeos que são caracterizados por apresentar somente duas asas (dípteros). Eles são característicos pela capacidade de “voo helicóptero”, isto é, a capacidade de permanecer no ar, quase sem se deslocarem. São muito importante nos agroecossistemas, pois suas larvas são predadoras de pulgões, ácaros e cochonilhas. Após a metamorfose, já adultos, se alimentam de néctar e pólen, sendo assim importantes polinizadores.

O registro foi feito pelo aluno LUCIANO SKITER DELMONDES para a Atividade Curricular de Integração Ensino, Pesquisa e Extensão (ACIEPE) intitulada Fotografia e Ciências: introdução às técnicas fotográficas e aplicações na divulgação científica, realizada entre março e junho de 2015, na UFSCar Campus Araras. A atividade contou com o apoio da Pró-Reitoria de Extensão.

Ninfa de percevejo

O inseto da foto se trata de uma ninfa de percevejo, pertencente à ordem hemíptera. Esta ordem é dividida em mais 3 subordens, dentre elas a subordem heteroptera que engloba todos os percevejos, barbeiros e baratas-d’água. Os percevejos se destacam por serem encontrados em todos os lugares do mundo e pelos danos econômicos envolvidos na agricultura, já que grande parte destes insetos são fitófagos. Porém, outros são predadores e agem como inimigos naturais nos ecossistemas, evidenciando a sua importância para o equilíbrio de populações.

A imagem é de Ana Carolina Nicolau de Carvalho, cedida para a II Exposição Fotografia & Ciências.

Coala

O coala (Phascolarctos cinereus) é um mamífero marsupial da família phascolarctidae endêmico da Austrália. O coala tem a cabeça pequena, os olhos bem separados e o focinho curto. Tanto os membros posteriores como os anteriores possuem cinco dedos. O polegar das patas posteriores é bastante pequeno, os outros dedos são fortes e tem garras alongadas. A sua pelagem é sedosa e densa, tem um papel importante na regulação térmica do animal. O coala é bastante abstêmio, mata a sede com apenas o suco oleoso das folhas de eucalipto, praticamente o único vegetal que come. Estes marsupiais encontram-se em via de extinção. Atualmente, existem cerca 80 mil coalas vivos.
Foto de Léo Brito, em Wild Life Sydney Zoo https://instagram.com/leo.leobrito?igshid=rohn6qfwzadf https://www.facebook.com/leo.brito.94